quarta-feira, 30 de março de 2011

HOMENAGEM AOS AUSENTES

Hoje é o grande dia de expressar nossa gratidão a todos que contribuíram para o sucesso da nossa caminhada.

Cinco anos se passaram. Pareciam eternos quando dos primeiros passos, mas enfim, aqui estamos nós, o grande dia chegou. Ocorre que muitas pessoas foram ficando ao longo do caminho. Algumas por opção ou por necessidades e outras por terem sido chamadas mais cedo de volta para a Casa do Papai do Céu.

O certo é que verificando a listagem de convidados, notamos a ausência de muitos nomes queridos que gostaríamos muito que estivessem aqui e agora, do nosso lado, vivendo esta emoção única e intransferível.

Portanto, esta homenagem pretende alcançar a todos os ausentes momentâneos, que simplesmente não puderam vir, como também a todos os ausentes eternos que já partiram para Deus.

Falar de ausência não é tarefa fácil, pois mexe com a emoção. Falar de ausência é voltar os pensamentos ao passado, é reviver velhos momentos às vezes já quase apagados pela correria do dia a dia. Falar de ausência é trazer de volta para o presente os mais puros sentimentos de fé, de amor, de confiança e determinação.

Falar de ausência é deixar que a saudade reprimida brote em flores de lágrimas nos olhos, sem ter vergonha de quem ou de que. Falar em ausência é permitir que o coração apertado no peito vá se acalmar nas velhas lembranças guardadas em algum baú empoeirado, escondido em algum sótão qualquer.

Ausência é ter um milhão de palavras encalhadas na garganta, mas não poder dizer, por já não estar mais presente a pessoa que deveria ouvir.

Ausência é sentir o coração pulsar descompassado, ardendo de saudades e, não ter ao alcance dos olhos a pessoa para abraçar.

Ausência é sentir um vazio na alma pelo sentimento de impotência de voltar pelo mesmo caminho, encontrar as mesmas pessoas, as mesmas coisas e corrigir o que não deu certo, ou reviver com mais intensidade cada momento deixado pra trás.

Ausência é estar cercado por uma multidão, mas não poder ver o rosto risonho da pessoa amada que tanto nos quis que tanto nos ajudou.

Ausência é acreditar que na cadeira ao lado, neste momento, está presente o ausente homenageado, invisível aos olhos, mas não ao coração.

Ausência é deixar que as lágrimas rolem, gritando baixinho, OBRIGADO, como um simples gesto de gratidão.

A todos os ausentes, que em algum momento da nossa vida estiveram presentes de corpo e alma, mas que hoje só estão presentes em nossos pensamentos e em nossos corações, só nos resta dizer obrigado por tudo, esta conquista também é de vocês, onde quer que estejam.

Daniel Mauricio

Um comentário:

  1. Muito lindo o seu texto, não consegui ler sem chorar! Espero que não se importe de eu utilizar partes dele na minha colação.

    ResponderExcluir